CAMARA DE VEREADORES

Câmara de Siderópolis aciona Ministério Público para apurar ‘indício de fraude’

A Câmara de Vereadores de Siderópolis acionou o Ministério Público para apurar possíveis irregularidades nas contas da Casa. A assessoria jurídica do Legislativo, vereadores e funcionários, ainda abalados com o ocorrido, não mede esforços para que tudo seja esclarecido e avaliado nos rigores da Lei.

Ao ser surpreendido com o aviso de bloqueio de recursos do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) pela Prefeitura de Siderópolis, que se deu pelo não depósito de encargos sociais na folha de pagamento (INSS e FGTS) dos vereadores e funcionários da Casa, o parlamento passou a investigar a origem do problema. As informações colhidas apontaram fortes indícios de fraude nas contas do Legislativo. Diante dos fatos a Câmara fez um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil, pediu para que o Ministério Público investigue o caso e paralelamente abriu sindicância interna e ainda levará o caso a uma Comissão Processante, além da realização de uma auditoria externa.

Com a realização de buscas internas verificaram-se diversas inconsistências (não pagamento das guias da previdência social, não recolhimento do FGTS, entre outras). No entanto, ao serem analisados os extratos bancários da Câmara, para total indignação e surpresa de todos, foram identificadas diversas TEVs (Transferência Eletrônica de Valores) e pagamentos de boletos, tendo como beneficiárias pessoas totalmente estranhas ao legislativo municipal.

Atelie do Cabelo
Confraria do Pão
Fazenda São Lourenço
Anuncie

“Nós jamais compactuaremos com qualquer conduta que não esteja de acordo com os princípios básicos dos deveres civis e públicos. Não estamos fazendo isso apenas por ser tratar do erário, mas por que mexe com a honestidade de cada um de nós aqui a qual é inegociável. Nós vamos trabalhar arduamente para que tudo seja esclarecido e colocado em seu devido lugar”, afirma o presidente da Câmara de Siderópolis, Roni Remor (PSDB), o Lilo. “Estamos desapontados e surpresos porque jamais poderíamos imaginar que algo deste tipo pudesse ocorrer”, destacou.

O envolvido ou envolvidos serão afastados por no mínimo 60 dias, enquanto a Comissão Processante e sindicância interna estudam a suposta fraude. “Reforçamos também que estamos todos à disposição das autoridades e esferas da Justiça para quaisquer esclarecimentos e informações para o andamento das investigações. É inadmissível este tipo de conduta em qualquer ambiente sobretudo quando há dinheiro público envolvido”, reforça Lilo.

____
Fernanda Zampoli – Assessoria de Imprensa Câmara de Vereadores de Siderópolis

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Topo