Turismo

Em meio à pandemia, turismo rural cresce em Siderópolis e Treviso

Proprietários de pousadas, fazendas e estabelecimentos gastronômicos, contam que a procura pelos locais aumentou

O turismo rural tem crescido nas cidades de Siderópolis e Treviso. Localizados próximos das encostas da serra e cercados por belezas naturais, os municípios reservam visuais de tirar o fôlego, com trilhas, monumentos históricos, cachoeiras, igrejas, atividades radicais, entre outros atrativos que despertam a vontade dos visitantes em conhecer os locais. Por isso, as cidades tem recebido novos empreendimentos, hoteleiros e gastronômicos.

O interesse em visitar os locais está, na maioria das vezes, de pessoas que vivem em cidades grandes, onde não é possível encontrar essas atividades. “Se afastar da rotina, de grandes centros e corporações que exigem cumprimento de metas. Buscar tranquilidade, menor tráfego, observar a vida simples, atividades ao ar livre como caminhadas, pedal, trilhas, fotografar fauna, flora, minerais e rochas. Busca pela origem de suas famílias que imigraram ao Brasil no século 19. Esses são os principais objetivos da visita”, conta a proprietária da Pousada Ferrero, localizada em Treviso, Lúcia Cimolin.

Confraria do Pão
Help Cell
Para Criar

Outros motivos que fazem valer a pena a visita é a localização dos empreendimentos, próximos das Serras do Rio do Rastro, do Corvo Branco, do Faxinal e da Rocinha. Os períodos de muito frio também chamam atenção, assim como os canyons de Praia Grande, a proximidade entre o planalto e o litoral, a gastronomia da cidade vizinha, Nova Veneza e a Festa da Gastronomia, duplicação da BR 101, as etnias que colonizaram a região e as comunidades que falam a língua dos antepassados, as festas religiosas, a Festa do Vinho de outra cidade vizinha, Urussanga, vale da Uva Goethe, e principalmente os produtos artesanais produzidos pelas famílias locais.

“Observamos que nossos hóspedes comentam muito acerca de viagens internacionais para visitação, museus, basílicas, etc e que citam poucas experiências no meio rural brasileiro. Alguns trazem seus filhos ou netos para conhecer como se produz os alimentos, a vida na roça, ou na fazenda”, aponta Lúcia.

Novos empreendimentos

Um novo conceito em hospedagem surgiu em Siderópolis. As cabanas em containers chamam atenção em meio a mata e a vida no campo. Uma mistura de simplicidade e sofisticação atrai os turistas à viver a experiência. No Sítio Raízes, em Siderópolis, é possível experimentar esse novo conceito.

Entre a mata encontram-se os containers, além de uma luxuosa casa de campo e um espaço para festas, cercados por atrativos naturais, adega, um delicioso ofuro, lago e muito mais. Motivos que fazem também com que os turistas se encantem pelo local.

Um novo espaço que oferece estadia em container também está surgindo em Siderópolis. A Pousada L’Amore ainda não está funcionando, a previsão para começar a receber os hóspedes é em novembro deste ano. “Estamos preparando um lugar para amar e ser amado. Qualidade de vida, bem estar, natureza presente, animais da propriedade, alimentação saudável e comida típica da região. Água das nascentes oferecida aos hóspedes sendo uma água extremamente pura”, conta a proprietária Stael Maciel Gava da Silva.

Para realizar a construção tudo foi planejado. As obras iniciaram em maio deste ano, mas devido a pandemia, houveram atrasos. A proposta da Pousada é ter seis cabanas de container suítes com amplo espaço e uma mini copa dentro de cada cabana para deixar os hóspedes mais felizes. “Também possuímos piscina ao ar livre e um espaço maravilhoso para reunir os hóspedes para churrasco ou outros cardápios para quem gosta de cozinhar. Temos um espaço gourmet com lareira e fogão a lenha. Tudo será feito para que cada pessoa que se hospedar se sentir em casa e ter momentos de alegria, bem estar e satisfação”, salienta Stael.

Além do setor hoteleiro a área gastronômica também está crescendo em Siderópolis. Com previsão de inauguração em setembro, o Café San Piero oferece vista para a serra, montanhas e árvores, o local vai contar com açude, vários animais, pato, galinha, peru, cachorro e uma paz vinda do interior. “A ideia de criar o café foi de família, juntamente com meu pai Delfo e minha mãe Assunta. A partir disso, criamos o San Piero. O nome é a tradução para italiano da comunidade onde fica o café, que é São Pedro. A área é bem arejada e vai contar com café de mãe, cheirinho de bolo de milho, cavaquinho, bolinho de chuva, queijo, batata doce. As receitas chefes no café são da minha mãe, o cavaquinho e o bolinho de chuva”, destaca Pamela Demenech da Silva.

Na cidade vizinha, Nova Veneza, também tem um novo estabelecimento surgindo. A Pousada La Nostra Terra, com conceito de pousada rural, abriu recentemente. “Graças a enorme quantidade da procura por turismo em Nova Veneza, veio a ideia de abrir a Pousada com atividades rurais que agradem o público, como passei a cavalo e contato com os animais “, conta o proprietário, Daniel Da Luz.

Pandemia

A procura dos turistas tem crescido, principalmente em tempos de pandemia, mas os estabelecimentos estão tomando todos os cuidados necessários. Na Pousada Fazenda São Lourenço, localizada na comunidade de Rio Jordão, em Siderópolis, que oferece passeio a cavalo também teve que se adequar as regras. “Estamos tomando todos os cuidados e higienizando tudo. Trabalhamos com reservas e com isso conseguimos, entre um cliente e outro, fazer toda limpeza necessária”, disse a proprietária, Cristina dos Santos Belarmino Bortoluzzi.

 No Sítio Raízes não é diferente, apesar do aumento das atividades, o local está tomando todos os cuidados necessários, tornando o uso obrigatório de máscara e até de luvas, em alguns ocasiões. “No inverno desse ano, acredito que a procura seja mais por conta da pandemia. As pessoas estão procurando viagens mais curtas, mais próximas das suas casas, porque se acontece algum sintoma com você com ou sua família, você vai estar perto. É isso que os hospedes estão falando, valorizando a região sul por estar mais próximo de suas casas”, explica a anfitriã do Sítio, Lica Poltozi.

A anfitriã ainda acrescenta que voltaram a hospedar em junho deste ano, enquanto muitos lugares já tinham voltado antes. “Possuímos dois quartos, então não há aglomeração. Uma das coisas que mudamos era que antes, o café era compartilhado com todas as pessoas na mesma mesa, agora estamos fazendo por agendamento. Por exemplo: se tem dois casais na pousada, é um horário para cada casal na cozinha para termos tempo de higienizar tudo. Também é obrigatório o uso de máscaras e na hora de servir o café, exigimos o uso luvas e principalmente, o uso das máscaras quando tem pessoas em algum lugar coletivo, como na cozinha ou na sala assistindo TV. Também temos álcool gel em todos os ambientes, então estamos tendo bastante cuidado”, esclareceu Lica.

No Alto Jordão Ecoturismo, em Siderópolis, a procura também cresceu e todos os cuidados estão sendo tomados. “A procura cresceu por conta do coronavírus, já que nossas atividades, a maioria são ao ar livre, que estão liberadas, mas estamos tomando os cuidados necessários”, comenta o administrador do local, Guto Silva.

Hoje o empreendimento conta com quatro leitos disponíveis, mas vem mais por aí. “Ficarão prontos, nos próximos dias, um chalé com mais quatro leitos, somando oito camas e em seguida vamos disponibilizar mais quatro locais em um outro chalé. Contamos com área de camping para dez pessoas com banheiro e chuveiro, além de área de acampamento, próximo a pedra furada, com pasto para acampar. A ideia é ter 12 leitos disponíveis ainda esse ano, cada vez mais melhorar a área de camping e acampamento”, complementa Guto.

Incentivo ao turismo

Apesar da grande procura pelos locais e a inauguração de novos empreendimentos, os proprietários mencionam que é preciso um maior incentivo ao turismo.

“Acredito que o turismo rural ainda necessita de maior empenho tanto do setor público como do privado, a maioria dos municípios não tem ainda o mínimo de infraestrutura, rodovias municipais não pavimentadas e de manutenção precária, falta de sinalização turística e viária, portais dos municípios com informações geralmente desatualizadas. Falta de profissionalização dos envolvidos e de caracterização das necessidades dos clientes por nichos: atletas, maratonistas, ciclistas, caminhantes, grupos familiares. Maior cuidado à manutenção original da paisagem e recolhimento regular de lixos e aumentar e profissionalizar cada empreendimento no gerenciamento de mídias sociais”, menciona a proprietária da Pousada Ferrero, Lúcia.

A anfitriã do Sítio Raízes também comenta sobre o incentivo ao turismo, mas vindo do próprio país. “Por aqui nós temos o clima europeu e quando o Brasil souber vender o turismo dentro do país, porque infelizmente o próprio Brasil vende muito o de fora, como se realmente tem que ficar na Europa para estar no melhor lugar, mas na verdade temos o paraíso bem pertinho. Mas eu tenho certeza que essa pandemia veio para ajudar nessa questão, todo mundo agência de viagem que só vende para fora, pensando só no lucro, mas eu acho que agora todo mundo vai valorizar mais o turismo local”, opina Lica.

Gostou dos locais? Siga nas redes sociais:

– POUSADA FERRERO

– SITIO RAÍZES 

– POUSADA L’AMORE

– CAFÉ SAN PIERO

– POUSADA LA NOSTRA TERRA

– POUSADA FAZENDA SÃO LOURENÇO 

– ALTO JORDÃO ECOTURISMO

____
TEXTO: Cadu Vieira, Ezequiel Machado, Jatene Macedo, Larissa Witt / JORNALISMO SATC
FOTOS: REDES SOCIAIS
FOTO CAPA: SAMUEL CARDOSO

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Topo