CORONAVÍRUS

Sideropolitanos na Alemanha falam sobre a situação do país

Supermercados estão com prateleiras vazias e ruas desertas. Encontros em público com mais de duas pessoas estão proibidos

“É um cenário assustador”, disse a sideropolitana que está morando em Frankfurt, estado de Hesse na Alemanha, Eduarda Savi. Segundo ela, as ruas estão desertas e mantimentos básicos estão em falta nos supermercados por causa do novo coronavírus (COVID-19). Atualmente, o país tem 26.159 mil casos registrados e 94 mortes, segundo a BBC. Mesmo com a taxa de mortalidade considerada baixa, os cuidados estão sendo redobrados.

“Diminuiu muito o movimento de pessoas, as ruas estão quase vazias. As recomendações são para sair de casa apenas se necessário, e também muitos estabelecimentos foram fechados. Eu ainda não vi a situação dos supermercados pessoalmente, mas as pessoas que moram comigo foram e disseram que está assustadora, os principais alimentos estão em falta”, relatou Eduarda.

Sidertur
Maganhin
Beto Auto Som
Delícias da Tay

Letícia de Mattia que também é sideropolitana, está morando em Ulm – Baden-Württemberg, na Alemanha. Ela conta que na cidade os supermercados estão sem mercadoria. “Prateleiras sem alimentos, falta de papel higiênico e de higiene pessoal. Eu preferia que chegasse uma ordem de que todos precisem fazer quarentena e ficar só em casa por um período de tempo. Assim, teria um controle mais rápido e poderíamos voltar ao trabalho normal”, declarou.

A sideropolitana foi para o país trabalhar em uma sorveteria. Desde a última quarta-feira (19), o estabelecimento está fechado e sem previsão de abertura. “Vamos pensar no próximo, não adianta você nutrir sua família, abastecer sua casa e esquecer dos outros, principalmente idosos e pessoas com bebês. Não sei ao certo em que escala isso tudo está, o quanto de verdade ou pânico existe nisso, mas essa é a realidade por enquanto”, concluiu.

No último domingo, (22), a Alemanha proibiu encontros em público com mais de duas pessoas. A restrição vai durar por pelo menos duas semanas.

JATENE MACEDO – JORNALISMO SATC

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Topo